Planalto abrirá licitação para pesquisa


O Palácio do Planalto vai abrir nos próximos dias licitação pública para contratar dois institutos de pesquisa, ao custo de R$ 4 milhões a R$ 5 milhões por ano, para fazer as pesquisas de opinião pública de interesse do governo.
O assunto foi discutido nos últimos seis meses no âmbito da Secom (Secretaria de Comunicação e Gestão Estratégica), comandada pelo ministro Luiz Gushiken. A Secom preparou o edital, que agora é analisado pela Casa Civil da Presidência, antes de ser publicado no "Diário Oficial da União".
Marcus Flora, secretário-adjunto da Secom, disse ontem que a contratação das agências nada tem a ver com a crescente queda de popularidade do presidente Luiz Inácio Lula da Silva.
Pesquisas de opinião indicam que o governo Lula, desde a posse, vem perdendo popularidade. A última delas, da CNI/Ibope, divulgada em 29 de junho, indicava que o governo era avaliado positivamente por só 29% da população. Pesquisa CNT/Sensus divulgada uma semana antes, no dia 22, mostrou uma avaliação positiva de 29,4% _ambos em queda.
egundo Flora, o governo quer restringir a pesquisa a dois institutos para acompanhar com mais exatidão os resultados a longo prazo. Atualmente, as pesquisas são feitas por diversos institutos, que usam metodologia diferente, o que dificulta a comparação.
Até agora, a gestão Lula vem usando o mesmo método do governo Fernando Henrique Cardoso em relação à contratação de pesquisas: os institutos são contratados pelas agências de publicidade que detêm a conta da publicidade institucional do governo. Com essa triangulação, paga-se pesquisa com verba publicitária e se contorna a exigência legal de licitação. Com a contratação dos institutos, acaba a triangulação.
Continuam sob a responsabilidade das três agências que têm a conta da publicidade institucional do governo (Duda Mendonça, Matisse e Lew, Lara) as pesquisas previstas em seus contratos: de pré-teste e "recall".
A pesquisa pré-teste avalia a aceitação de uma propaganda oficial assim que ela é colocada no ar. O "recall" avalia se a propaganda atingiu ou não seu objetivo.
O edital preparado pela Secom prevê a realização de diversas modalidades de pesquisa: quantitativa de campo, qualitativa, de profundidade e "tracking" (rastreamento).
A quantitativa de campo prevê entrevistas feitas pessoalmente, nas ruas e em domicílios. A qualitativa é feita com grupos, dependendo do que se queira avaliar, com questionário mais longo e respostas mais longas. A de profundidade é parecida com a qualitativa, só que com entrevistas individuais e seleção mais direcionada dos entrevistados.
O "tracking" é uma série de pesquisas que visa à elaboração de uma curva da opinião pública a respeito de determinado tema.
O governo encomenda pesquisas periodicamente para avaliar não só a sua popularidade, mas o impacto de suas políticas ou o desgaste de episódios que abalam a sua imagem, como o caso Waldomiro --o ex-assessor da Casa Civil filmado pedindo propina a um empresário de jogos quando era presidente da Loterj (Loteria do Estado do Rio de Janeiro).
Flora disse que a contratação das agências não significa que vá aumentar o número de pesquisas encomendadas pelo governo.


19/07/2004

Fonte: Folha de São Paulo

 

Avisos Licitações

07/02/2023

Loteria Mineira publica edital de licitação para concessão da exploração de jogos

Foi publicado no Diário Oficial do Estado desta te...

08/02/2023

Câmara de Balneário Camboriú fará licitação para contratar agência de publicidade

A Câmara de Balneário Camboriú publicou na terça-f...

08/02/2023

Prefeitura abre nova licitação para reforma de prédio da Floriano Peixoto

Prefeitura abre nova licitação para reforma de pré...

08/02/2023

Pregão do Centro de Bilhetagem do transporte coletivo ficou para sexta-feira, 10/02

O pregão para a escolha do Centro de Bilhetagem El...
Notícias Informativo de Licitações
Solicite Demonstração Gratuita