MG economiza 32% com pregão


Belo Horizonte - Belo Horizonte sediará na segunda semana de setembro, o 5º Seminário Internacional de Compras Governamentais, cujo objetivo principal é o incentivo do uso de leilões eletrônicos na aquisição de produtos e serviços para o setor público.
O encontro terá apoio de organismos internacionais, como o Banco Mundial (Bird) e o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e reunirá a comunidade com interesse na área, constituída por fornecedores, administradores públicos, advogados, além de observadores internacionais. No encontro anterior, realizado no ano passado em Brasília, compareceram mil pessoas.
Na apresentação do seminário, a secretária adjunta de Gestão Pública de Minas Gerais, Renata Vilhena revelou que, em decorrência da ampla utilização dos pregões eletrônicos, Minas Gerais reduziu em 32% os seus gastos com aquisição de compras, que totalizaram R$ 2 bilhões, no ano passado. Os destaques foram para a compra de medicamentos e serviços de telefonia. "Ao pagar menos pelas mesmas compras, Minas conseguiu acabar com o seu déficit orçamentário," revelou a administradora.
Custos menores
Segundo os números apresentados pela secretária-adjunta, graças a essa forma aquisição de produtos e serviços, nos quais os fornecedores participam em tempo real, sem sair dos seus escritórios, foi possível, foi possível reduzir os custos de compras de telefonia móvel de determinadas repartições de R$ 120 mil para R$ 26 mil. No caso de processamento de dados, o preço mais baixo em uma determinada licitação estava cotado em R$ 660 mil. No final do processo, caiu para R$ 247 mil.
A secretária destacou que outra iniciativa importante para a redução dos custos foi a quitação de todos os débitos com fornecedores, que era de R$ 2 bilhões no início da administração Aécio Neves (PSDB), em janeiro de 2003. "Estamos pagando rigorosamente em dia. Quando isso ocorre, os preços caem e há uma participação maior de competidores, sobretudo daqueles que não tem capacidade financeira para conviver com atrasos", explicou Vilhena que revelou ter recebido queixas de fornecedores contra competidores que apresentam preços supostamente abaixo dos custos de produção. "Essa não é uma preocupação nossa, pois há muitos fornecedores que tem grandes estoques ou estão encerrando suas atividades e desejam se desfazer das mercadorias. O fundamental é que cumpram seus compromissos. Quem não honrar o contrato será penalizado e não participará de licitações por um período de cinco anos", explicou.


23/08/2005

Fonte: Gazeta Mercantil

 

Curso Licitações

07/10/2022

Cursos Presenciais - Nova Lei de Licitação e Contratação Pública

O Curso Presencial da Nova Lei de Licitação e Cont...

02/02/2023

Prefeitura de SP abre licitação para manutenção das ciclovias da capital

A Prefeitura de São Paulo, através da SMT (Secreta...

01/02/2023

Prefeitura divulga edital de licitação para construção de um novo ESF Caçador

Os moradores do bairro Caçador ganharão uma nova s...

01/02/2023

Prefeitura de Taubaté revoga licitação para compra de material escolar

A prefeitura de Taubaté revogou a licitação para c...
Notícias Informativo de Licitações
Solicite Demonstração Gratuita