Governo conseguiu reduzir em até 30% contratos de licitação


Brasília – O secretário de Política Nacional de Transportes do Ministério dos Transportes, José Augusto Valente, disse em entrevista à Agência Brasil que o governo conseguiu redução de até 30% em alguns contratos de licitação retomados para execução das obras do plano emergencial de recuperação das estradas.
"A gente pode até citar como exemplo a BR-101 no Rio, onde os custos estão bastante abaixo do que seriam praticados. O Dnit [Departamento Nacional de Infra-Estrutura de Transportes] está conseguindo, na média de todas as licitações, valores 25% abaixo do valor estimado, mas há casos em que o desconto chega a 30%", afirmou Valente.
Valente rebateu as críticas sobre a dispensa de licitação em cerca de sete mil quilômetros de extensão das obras emergenciais. Disse que o Tribunal de Contas da União (TCU) se manifestou recentemente favorável à intervenção, em caráter emergencial, do governo federal nas rodovias estaduais que, antes da Medida Provisória 82, de 2002, eram federais.
"Foi por meio de um parecer do conselheiro Augusto Nardes. Embora a gente sabia que o desejável fosse fazer licitações, a situação é muito crítica", explicou. Ele disse que a dispensa de licitação foi necessária, na maioria dos casos, nas obras de recuperação das rodovias estadualizadas, que hoje estão em estado precário, conforme destacou.
O secretário respondeu às críticas, na imprensa, de que os custos de trechos distintos de uma mesma rodovia seriam muito diferentes. "As diferenças vão acontecer porque a quantidade de intervenções e o custo delas são diferentes. Aliás, ao contrário do que andam dizendo, esse programa não é de tapa-buraco. É de conservação em um nível mais avançado. Há trechos com recuperação de ponte, que eleva o custo. Não dá para comparar", disse.
Valente lembrou que o ministério pediu ao TCU que acompanhe de perto os contratos e a realização das obras, para dar mais transparência ao processo. "A lei de licitações prevê a dispensa de licitação em situações emergenciais. Então, se o TCU entender que as ponderações do governo para isso não foram satisfatórias e que houve lesão ao erário público, o gestor público terá que responder", observou.


12/01/2006

Fonte: Agência Brasil

 

Avisos Licitações

07/10/2022

Cursos Presenciais - Nova Lei de Licitação e Contratação Pública

O Curso Presencial da Nova Lei de Licitação e Cont...

03/02/2023

MPF divulga pregão eletrônico para aquisição de água mineral para unidade no PI

O Ministério Público Federal (MPF) torna público o...

03/02/2023

Licitação para ampliação do aeroporto de Cachoeiro pode sair neste ano

O projeto de reforma e ampliação do Aeroporto Muni...

03/02/2023

Raquel Lyra abre nova licitação de R$ 303 milhões. Saiba para qual finalidade

O Governo do Estado abriu uma licitação de R$ 303....
Notícias Informativo de Licitações
Solicite Demonstração Gratuita