Concorrência para construir nova torre fracassa


São José dos Campos (SP - Fracassou a concorrência para a construção da nova torre de lançamento do Veículo Lançador de Satélites (VLS), no Centro de Lançamento de Alcântara (CLA), no Maranhão. Os dois consórcios que apresentaram proposta na licitação, liderados pelas empresas Brasilsat, de Curitiba (PR) e Jaraguá, de Sorocaba (SP) foram desclassificados no quesito preço.
O resultado da licitação foi anunciado ontem pela direção do Centro Técnico Aeroespacial (CTA) e do Instituto de Aeronáutica e Espaço (IAE), em São José dos Campos. Segundo o presidente da Comissão Especial de Licitação da Torre Móvel de Alcântara, José Carlos Argolo, os valores propostos pelas duas empresas não estavam de acordo com o previsto no edital.
O projeto da torre tem garantidos no orçamento recursos da ordem de R$ 30 milhões. "Uma das empresas apresentou um preço muito acima do previsto e a outra bem abaixo", disse. A Brasilsat e a Jaraguá, segundo Argolo, aceitaram a decisão do CTA e abriram mão de um eventual recurso na justiça para rever o resultado do processo.
Um novo edital já está sendo preparado pelo CTA e deverá ser publicado nos próximos dias. "Faremos uma revisão rápida do projeto e do orçamento da torre para verificar se algum ponto do edital deu margem a eventuais dúvidas para os interessados."
Cerca de 20 empresas chegaram a retirar o edital da concorrência, lançado no mês de julho, mas só três compareceram à licitação e duas apresentaram proposta. Quase todas as empresas que retiraram o edital eram do setor de construção civil. O projeto da primeira torre de Alcântara, construída na década de 90 pelas empresas Akaer Engenharia e pela Andrade Gutierrez, envolveu mais de 50% de obras civis. O atual projeto prevê apenas 15% de obras civis.
A primeira torre foi destruída em agosto de 2003, num incêndio que provocou a morte de 21 técnicos e engenheiros do CTA. A tragédia aconteceu depois que um dos motores do foguete VLS acendeu acidentalmente, três dias antes do seu lançamento, quando já estava totalmente integrado na torre.
A Aeronáutica contratou empresas de consultoria russas para fazerem uma revisão do projeto do foguete e também para sugerir modificações na nova torre de lançamento. A implementação das modificações, relacionadas à parte elétrica do foguete e também aos métodos de ensaios em solo e de segurança durante a campanha de lançamento, já começaram a ser colocadas em prática.


25/08/2005

Fonte: Gazeta Mercantil

 

Avisos Licitações

07/10/2022

Cursos Presenciais - Nova Lei de Licitação e Contratação Pública

O Curso Presencial da Nova Lei de Licitação e Cont...

02/02/2023

Prefeitura de SP abre licitação para manutenção das ciclovias da capital

A Prefeitura de São Paulo, através da SMT (Secreta...

01/02/2023

Prefeitura divulga edital de licitação para construção de um novo ESF Caçador

Os moradores do bairro Caçador ganharão uma nova s...

01/02/2023

Prefeitura de Taubaté revoga licitação para compra de material escolar

A prefeitura de Taubaté revogou a licitação para c...
Notícias Informativo de Licitações
Solicite Demonstração Gratuita