CGU encontra irregularidades em mais uma obra da Gautama


A Controladoria-Geral da União (CGU) detectou irregularidades como superfaturamento e sobrepreço nas obras de ampliação do sistema de abastecimento de água do Rio Pratagy, em Alagoas, feitas pela construtora Gautama, pivô do esquema desvendado pela Operação Navalha da Polícia Federal. Os auditores da CGU calculam que o prejuízo aos cofres públicos é da ordem de R$ 7,9 milhões, podendo chegar a R$ 11,7 milhões se os contratos feitos entre o governo do Estado e a construtora forem mantidos nas bases atuais.
A obra, iniciada em dezembro de 2005, deveria ser concluída em dezembro do ano passado, mas o prazo foi estendido para 2010. Os auditores constataram que a adutora foi concluída, mas não funciona e que a construção da barragem Duas Boca-Santa Luzia está parada.
De acordo com o relatório da CGU, o superfaturamento ocorreu na compra de material para a construção das adutoras. As tubulações de 1.000 milímetros (mm) e 400 mm foram vendidas à Gautama aos preços médios unitários de R$ 1.083,94 e R$ 264,86, já incluídos todos os custos indiretos, mas a construtora cobrou os valores de R$ 2.252,45 e R$ 1.003,82, respectivamente. O total do prejuízo com o superfaturamento chegou a R$ 6,1 milhões.
Já o sobrepreço foi identificado quando os auditores constataram que a Companhia de Abastecimento D'água e Esgoto do Estado (Casal) excluiu alguns serviços do contrato original com a Gautama para incluir a construção da adutora Pulmão B até o reservatório Rl, no bairro do Jacintinho, ao custo de R$ 7,7 milhões. Cinco dias depois, a Secretaria de Infra-estrutura do Estado (Seinfra) apresentou uma nova proposta ao Ministério da Integração Nacional com o custo da construção da adutora passando para R$ 11,3 milhões.
Na construção da barragem Duas Bocas-Santa Luzia, os técnicos da CGU detectaram diversas irregularidades, na forma de acréscimos de quantidades sem justificativas, sobrepreço de insumos e pagamentos de serviços não executados e acima das medições reais. Conforme o relatório, a Gautama chegou a cobrar pelo transporte e descarga de material de uma escavação que não foi realizada, recebendo por isso, cerca de R$ 192 mil.
Os auditores da CGU também encontraram irregularidades na licitação que resultou na contratação da Gautama para construir o sistema de abastecimento de água do Rio Pratagy. Segundo os técnicos, as regras estabelecidas para a qualificação econômica e técnica exigidas na licitação resultaram na restrição do caráter competitivo do processo licitatório, beneficiando a Gautama.


04/01/2008

Fonte: Goiasnet

 

Curso Licitações

01/01/2024

Cursos On Line AO VIVO - Nova Lei de Licitação e Contratação Pública

O Curso On Line Ao Vivo da Nova Lei de Licitação e...

29/01/2024

Curso On Line - Ao Vivo de Formação de Analista de Licitação e Contratação Pública

O Curso de formação Analista de Licitação ONLINE A...

15/01/2024

Cursos Presenciais - Nova Lei de Licitação e Contratação Pública - Florianópolis/SC

O Curso Presencial da Nova Lei de Licitação e Cont...

01/03/2024

Prefeitura obtém orientação da CBB e abrirá nova licitação para trocar piso do Moringão

Após conseguir obter uma normativa técnica expedid...
Notícias Informativo de Licitações
Solicite Demonstração Gratuita