Teles fixas elevam a oferta pela Embratel


A Calais Participações -consórcio formado pelas operadoras de telefonia fixa Telemar, Brasil Telecom e Telefônica- anunciou ontem o aumento da proposta de compra das ações ordinárias da Embratel.
Segundo a nova oferta, a norte-americana MCI, controladora da Embratel, receberia uma parcela inicial de US$ 396 milhões pela venda -de um total de US$ 550 milhões oferecidos pelo consórcio para a aquisição da Embratel. Na proposta anterior, o valor dessa primeira parcela estava estabelecido em US$ 360 milhões.
De acordo com a Calais, esse pagamento inicial "não depende de aprovação regulatória prévia e não é reembolsável, mesmo no caso de o negócio não ser aprovado [pelas autoridades regulatórias]". Ou seja, no ato de fechamento da transação entre a MCI e o consórcio das operadoras fixas, a empresa americana receberia o pagamento inicial, e, após a aprovação da operação pela Anatel, a MCI receberia os US$ 154 milhões restantes.
A revisão da oferta é uma tentativa de desbancar a Telmex, que também disputa a compra da Embratel. A proposta da empresa mexicana prevê um pagamento inicial de US$ 20 milhões, sendo o valor total para a transação de US$ 360 milhões.
A Calais aponta que o megaempresário Carlos Slim Helú, controlador da Telmex, é o segundo maior credor da WorldCom.
Procurada pela reportagem da Folha, a assessoria da Telmex, no México, informou que não comentaria o caso.
"Tendo em vista a relação privilegiada que eles [a Telmex] têm com a MCI, resolvemos adotar essa estratégia competitiva e aumentar o valor [da parcela inicial] para diferenciar a nossa oferta", disse Otávio Azevedo, presidente do conselho da Telemar e representante do consórcio.
Além da oferta do pagamento inicial não-reembolsável, a Calais também ofereceu à MCI garantias de que "está preparada para indenizar os vendedores em relação a qualquer reivindicação por parte de terceiros relativa à compra das ações da Embratel pela Calais", diz nota divulgada ontem.
No Brasil, a transação está sujeita à aprovação do Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) e da Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações). Nos Estados Unidos, a venda da Embratel está sujeita à aprovação da Corte de Falências de Nova York. No órgão, corre o processo de concordata da MCI.


20/04/2004

Fonte: Folha de São Paulo

 

Avisos Licitações

17/02/2019

São Vicente pode ter sistema misto de transporte

A Cooperlotação, atual responsável pelo transporte público de São Vice...

15/02/2019

Prefeitura retoma obras e UPA Norte I deverá ser entregue em até 12 meses

A Prefeitura de Belo Horizonte abriu licitação para finalizar a implan...

16/02/2019

Codiub faz licitação para rotativo que será oferecido a outras cidades

Codiub vai abrir licitação para contratar empresa especializada em ges...

16/02/2019

Serviços de limpeza custarão até R$ 11 mi

A Prefeitura de Jaú abriu ontem a licitação para contratar a empresa r...
Notícias Informativo de Licitações
Solicite Demonstração Gratuita