Governo suspeita que cartel de gás industrial atuava em todo o país


A Secretaria de Direito Econômico (SDE) investiga a formação de cartel por parte de empresas de gás medicinal e industrial. De acordo com o secretário de Direito Econômico, Daniel Goldberg, cinco empresas estão sendo investigadas: White Martins, Air Producs, Aga, Air Liquide Brasil e Indústria Brasileira de Gases (IBG). Na próxima segunda, dia 23, será instaurado um processo administrativo contra as cinco empresas. Há suspeitas de que o suposto cartel atua em todo o país.

Na quarta, dia 18, a Polícia Federal, com a autorização judicial, apreendeu diversos documentos de quatro empresas que serão investigadas. O grupo domina 99% do mercado. A White Martins é maior delas, com faturamento anual de R$ 1,4 bilhão. De acordo com Goldberg, o faturamento anual dessas empresas está entre R$ 2,4 e R$ 2,5 bilhões. As investigações giram em torno da formação de cartel e fraude nas licitações públicas. De acordo com Goldberg, essas empresas acertavam entre si qual seria a empresa vencedora da licitação.

– O acerto era feito por telefone ou em reuniões fechadas. As negociações eram feitas por códigos. Cada empresa era representada por uma cor: azul era a Air Liquide, verde, a White Martins, vermelho a AGA e amarelo a Air Producs – afirma Goldberg.

As outras empresas participavam das licitações para garantir a legalidade das licitações. No mercado privado, a carteira de clientes era divida entre as cinco empresas. Goldberg afirmou também que as empresas que não cumprissem os acordos feitos sofriam retaliações.

– No caso do gás medicinal, a secretaria de saúde e hospitais públicos e privados podem ter sido prejudicados – disse.

Além disso, setores importantes da economia, como o farmacêutico, a construção civil e o alimentício podem ter sido afetados também. Apesar dos indícios apontarem para a formação de cartel, Goldberg disse que ainda não se pode acusar nenhuma empresa.

– Estamos fazendo as investigações e as empresas tem direito de se defenderem. Devemos evitar condenações prévias – ponderou.

Goldberg disse que a secretaria está trabalhando nas investigações desde fevereiro de 2003. Em dezembro, a SDE instaurou investigação de caráter confidencial e sigiloso e firmou parceria com o ministério público de São Paulo. No dia 22, foi formado oficialmente a "Operação Amazônia".

– A SDE trabalhou em parceria com o ministério público de São Paulo e a Polícia Federal para analisar as conversas telefônicas, as licitações e as provas que já haviam sido coletadas – disse Goldberg.

Na próxima semana, será divulgado o resultado da análise do material que foi apreendido. O resultado do processo administrativo será enviado ao Conselho de Desenvolvimento Econômico (Cadê) que será responsável por julgar o caso. Goldberg disse que as penas podem variar.

– As empresas poderão pagar multa de até 30% do seu faturamento, algo em torno de R$ 700 milhões e até mesmo reclusão de 2 a 5 anos para os dirigentes das empresas que tiverem envolvidas no caso – afirma.

As empresas que foram lesadas também poderão entrar com ações de indenização para serem ressarcidas.


19/02/2004

Fonte: Agência Brasil

 

Curso Licitações

29/03/2019

Curso de Licitações Públicas em São Paulo e Porto Alegre

Quer treinar sua equipe para obter melhores resultados nos p...

19/04/2019

Prefeito Firmino anuncia obras de drenagem para as zonas Norte e Sul

O prefeito Firmino Filho (PSDB) afirma que a Prefeitura busc...

19/04/2019

Taubaté suspende licitação para implantação de parques lineares

O governo Ortiz Junior (PSDB) adiou, por tempo indeterminado...

19/04/2019

Licitação vai garantir asfalto na Avenida Rondônia

O prefeito de Vilhena, Eduardo Japonês, se reuniu nesta sema...
Notícias Informativo de Licitações
Solicite Demonstração Gratuita