Licitações Gratuitas Licitações Mobile Consulte nossos programas Solicite demonstração gratuita Solicite demonstração gratuita aqui Curso Licitações consulte nossos programas

02/01/2017

Curso OnLine - EAD de Impugnação e Recursos em Licitações

Com o objetivo de capacitar e aprimorar o profissional com conheciment...

05/01/2017

Curso de Licitações Públicas em São Paulo e Porto Alegre

Quer treinar sua equipe para obter melhores resultados nos processos d...

24/02/2017

Prefeitura de Lucas do Rio Verde abre diversas licitações no mês de março

A Prefeitura de Lucas do Rio Verde está com diversas licitações para s...

24/02/2017

Prefeitura de BONITO abre licitação para compra de Van para transporte dos pacientes

A Prefeitura Municipal de Bonito, por meio da Secretaria de Administra...

24/02/2017

Recursos de empresas emperram licitação de ponto eletrônico no Estado

Recursos de empresas emperram licitação para locação de ponto eletrôni...

Transpetro adia licitação de 26 petroleiros


Orçada em cerca de US$ 2 bilhões, a licitação para a construção de 26 petroleiros da Transpetro (subsidiária da estatal Petrobras para a área de transporte) enfrenta um novo impasse e o seu resultado foi adiado por mais uma semana. Ontem, estava marcada a abertura das propostas de preço, mas a Transpetro decidiu tirar da disputa dois grupos que não apresentaram seus planos para financiamento dos navios.
Os consórcios Brasfels, Keppel Fels e Daewoo e Eisa Montagem e STX foram desclassificados e pediram prazo para recorrer. Terão até o dia 17 deste mês para apresentar o recurso. O primeiro consórcio concorre à construção de 15 petroleiros de grande porte. Já o segundo disputa o direito de construir quatro petroleiros e três navios de transporte de GLP.
A Transpetro informou que não permitirá a inclusão de novos documentos na proposta dos dois concorrentes e que, apesar dos tropeços, a contratação deve ser concluída em março.
"As empresas tiveram todas as condições de disputar, mas não quiseram", disse o presidente da Transpetro, Sérgio Machado. Segundo o executivo, as companhias foram desclassificadas na primeira fase da licitação por não possuírem capital suficiente para entrar na concorrência, embora tenham atendido a todos os critérios técnicos do edital. Agora, o problema foi a falta de um modelo para obter financiamento.
Por um "ato de gestão" da diretoria da Transpetro, diz Machado, as empresas foram reabilitadas e voltaram a disputa mesmo tendo capital insuficiente, com o objetivo de trazer mais concorrência para a licitação. O Eisa se inscreveu na licitação por meio de um consórcio cujo capital total é de apenas R$ 4.000.
Preços
Das cinco propostas de preço para os lotes de navios, apenas a do consórcio Mauá Jurong/Marica CSSC foi aberta. O consórcio pediu US$ 335,4 milhões para a construção de quatro navios de transporte de derivados de petróleo -ou US$ 83,8 milhões por unidade.
Sem considerar o custo do aço (cujas variações de preço têm distorcido licitações de embarcações), o preço ofertado pela empresa para a obra recua para R$ 307,6 milhões -o que equivale a R$ 76,9 milhões por navio.
Para o presidente da Transpetro, Sérgio Machado, o preço proposto para o serviço está elevado e fora dos padrões internacionais. Navios similares, diz, são contratados por US$ 45 milhões.


11/02/2006

Fonte: Folha de São Paulo

 



Avisos Licitações
Licitacao.net é um serviço de Business Online Comunicação de Dados Ltda. © 2012 Licitacao.net