Licitações Gratuitas Licitações Mobile Consulte nossos programas Solicite demonstração gratuita Solicite demonstração gratuita aqui Curso Licitações consulte nossos programas

21/11/2014

MPF quer suspender edital de concessão de florestas no Pará

O Serviço Florestal Brasileiro (SFB) tem dez dias de prazo para respon...

21/11/2014

Licitação de combustível vencida pela Amazônia Petróleo foi legal

Ao analisar das contas da Secretaria Municipal de Planejamento e Finan...

21/11/2014

Licitação dos ônibus pode ser novamente deserta

Mais uma vez a licitação dos ônibus da Capital pode ser deserta, repet...

20/11/2014

Secretaria suspende licitação do aquaviário da Grande Vitória

A Secretaria de Estado dos Transportes e Obras Públicas (Setop) suspen...

22/11/2014

Municípios devem assumir ativos de iluminação pública

Termina no dia 31 de dezembro deste ano o prazo para que os municípios...

Transpetro adia licitação de 26 petroleiros


Orçada em cerca de US$ 2 bilhões, a licitação para a construção de 26 petroleiros da Transpetro (subsidiária da estatal Petrobras para a área de transporte) enfrenta um novo impasse e o seu resultado foi adiado por mais uma semana. Ontem, estava marcada a abertura das propostas de preço, mas a Transpetro decidiu tirar da disputa dois grupos que não apresentaram seus planos para financiamento dos navios.
Os consórcios Brasfels, Keppel Fels e Daewoo e Eisa Montagem e STX foram desclassificados e pediram prazo para recorrer. Terão até o dia 17 deste mês para apresentar o recurso. O primeiro consórcio concorre à construção de 15 petroleiros de grande porte. Já o segundo disputa o direito de construir quatro petroleiros e três navios de transporte de GLP.
A Transpetro informou que não permitirá a inclusão de novos documentos na proposta dos dois concorrentes e que, apesar dos tropeços, a contratação deve ser concluída em março.
"As empresas tiveram todas as condições de disputar, mas não quiseram", disse o presidente da Transpetro, Sérgio Machado. Segundo o executivo, as companhias foram desclassificadas na primeira fase da licitação por não possuírem capital suficiente para entrar na concorrência, embora tenham atendido a todos os critérios técnicos do edital. Agora, o problema foi a falta de um modelo para obter financiamento.
Por um "ato de gestão" da diretoria da Transpetro, diz Machado, as empresas foram reabilitadas e voltaram a disputa mesmo tendo capital insuficiente, com o objetivo de trazer mais concorrência para a licitação. O Eisa se inscreveu na licitação por meio de um consórcio cujo capital total é de apenas R$ 4.000.
Preços
Das cinco propostas de preço para os lotes de navios, apenas a do consórcio Mauá Jurong/Marica CSSC foi aberta. O consórcio pediu US$ 335,4 milhões para a construção de quatro navios de transporte de derivados de petróleo -ou US$ 83,8 milhões por unidade.
Sem considerar o custo do aço (cujas variações de preço têm distorcido licitações de embarcações), o preço ofertado pela empresa para a obra recua para R$ 307,6 milhões -o que equivale a R$ 76,9 milhões por navio.
Para o presidente da Transpetro, Sérgio Machado, o preço proposto para o serviço está elevado e fora dos padrões internacionais. Navios similares, diz, são contratados por US$ 45 milhões.


11/02/2006

Fonte: Folha de São Paulo

 



Curso Licitações
Licitacao.net é um serviço de Business Online Comunicação de Dados Ltda. © 2012 Licitacao.net